Independência ou morte!

Amanhã, na Ordem dos Advogados, vamos a votos. A pretexto disto escreveram-se livros, denegrindo o bom nome e a imagem de pessoas sérias, forjaram-se independências, inventaram-se mitos e cabalas. A Ordem dos Advogados é apenas e tão somente a associação pública que assegura a auto-regulação dos Advogados, e desta forma garante a independência de uma profissão que é essencial para o exercício de direitos fundamentais dos cidadãos, e para o funcionamento do Estado de Direito. É uma instituição com atribuições legais muito específicas e espera-se que as cumpra. Não se destina a advogar «pro bono» as posições de um primeiro ministro caído em desgraça, nem a proporcionar, diariamente, uma manchete que venda jornais a uma cada vez mais pujante e incógnita «quinta coluna». A Ordem não pode ser um instrumento ao serviço de um poder qualquer. A Ordem existe para defender os Advogados de todos os poderes. Por isso hoje aqui afirmo, muito claramente:  Independência ou Morte! Amanhã continua.  


3 comentários:

António Barbosa disse...

Ao longe hoje na condição de desempregado pensei que na Ordem se ia aproveitar para mudar de vida, não olhei muito porque me deprimia mas ao longe ia olhando apenas curioso se uma instituição conseguia mudar o seu rumo, parece que não conseguiu.

talvez porque Portugal não tenha mudado assim tanto nestes 100 anos.

cumprimentos

António Barbosa

"O país perdeu a inteligência e a consciência moral.
Os costumes estão dissolvidos, as consciências em debandada, os caracteres corrompidos.
A prática da vida tem por única direcção a conveniência.
Não há princípio que não seja desmentido.
Não há instituição que não seja escarnecida.
Ninguém se respeita.
Não há nenhuma solidariedade entre os cidadãos.
Ninguém crê na honestidade dos homens públicos.
Alguns agiotas felizes exploram.
A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia.
O povo está na miséria.
Os serviços públicos são abandonados a uma rotina dormente.
O Estado é considerado na sua acção fiscal como um ladrão e tratado como um inimigo.
A certeza deste rebaixamento invadiu todas as consciências.
Diz-se por toda a parte: o país está perdido!»
“As Farpas” de Eça de Queirós

Dinis disse...

E agora? Vamos a enterrar?

Nicolina Cabrita disse...

A Ordem existe para defender os Advogados de todos os poderes. Ciente disto, como estou, eleita como fui para exercer funções no Conselho Superior, amanhã a vida continua.